quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Livro analisa o viés utilitarista da religião em áreas periféricas

Neste 21 de janeiro – data dedicada, desde 1949, à comemoração do Dia Mundial da Religião –, relembramos o livro Razão para crer: agência cultural no movimento evangélico latino-americano, de David Smilde, editado pela EdUERJ em 2012.

Publicado originalmente em inglês, o título recebeu o Distinguished Book Award, em 2008, da American Sociological Association, na categoria Sociologia da Religião, e foi finalista do Clifford Geertz Book Award, em 2009.

David Smilde inicia o primeiro capítulo com uma provocação: "É possível decidir crer?" E por que nem todos – inclusive entre os que experimentam o mesmo contexto social e problemas similares – o fazem? O autor procura suas respostas recorrendo ao diálogo entre correntes teóricas variadas.

O livro apresenta uma rica etnografia, construída a partir de três anos de observação participativa em áreas de Caracas marcadas por pobreza e violência. A instigante reflexão teórica sobre mudança cultural através da conversão em igrejas pentecostais conduzida por Smilde analisa o viés utilitarista da religião, por oferecer suporte social e outros instrumentos de enfrentamento a situações de risco. Por exemplo, o ambiente religioso desestimula o consumo de álcool e outros entorpecentes – o qual, no contexto da periferia urbana, costuma atingir níveis incapacitantes, exacerbando a pobreza e o conflito familiar.

Embora baseadas em uma pesquisa realizada em Caracas, a discussão e as conclusões apresentadas são pertinentes à realidade de outros países da América Latina, inclusive o Brasil, onde também há proliferação de igrejas pentecostais em áreas violentas e pobres.

A edição brasileira é enriquecida com apêndices, glossário de palavras espanholas, índice remissivo e fotos, coloridas e em alta resolução, feitas pelo autor.

Por Thayssa Martins, graduanda de Letras – Inglês/Literaturas na UERJ e estagiária da EdUERJ.